C:\Users\Fala guri\Desktop\google45c75f9b8ec9581a.html

domingo, 8 de novembro de 2009

Teatro social

As manipulações são discretas, e praticamente impercebíveis ao elenco deste grande teatro.
É de se esperar que humanos, pobres humanos, vivam a negar a eles mesmos, seja para se afastarem dos tão menosprezados seres com quem dividimos o planeta, ou para aparentar com o pseudo-modelo de pessoa ideal.
Há muita sujeira até se chegar a verdade livre dos simbolismos e conceitos tendenciosos da sociedade que não utiliza o cérebro, mas nádegas; enquanto se considera racional e dominante de seus instintos. Ou, da "arte" de disfarçar instintos, com virtudes e regras comportamentais tão desprezíveis quanto o resto da prisão que constroem em volta de si e dos outros, enclausurando idéias e ideais, alegando estar em busca pela liberdade.
A alienação chegou em tal estágio, que opiniões próprias, dúvidas e porquês resumem-se em crises de uma hora. Parece um crime querer entender o ser e o todo... Mas, azar de quem não tenta. A pena será pagar com uma vida previsível e tão inútil quanto a falta de qualquer consideração, mesmo que efêmera.
Não aceito que com âmagos tão subjetivos e singulares, (in)conscientes tão diferentes individualmente, tantas pessoas consigam aderir a massificação.
Pode até ser um sonho. Mas, ao sonhar, mesmo que involuntáriamente, desobedecemos leis de física e espaço, desprezamos o tempo... Outro sonho! Simplesmente não quero acordar e como outros humanos, sujeitar-me a ser acostumada com a venda de personagens e ingressos para o grande teatro social.

9 comentários:

Blogueiras Compulsivas disse...

Isso mesmo amiga! Nossa vida é um circo

Carlos disse...

Dai, bom o seu texto. Você tem uma excelente redação. Acho que você tocou na ferida dessa sociedade contemporânea: vivemos a ideologia materializada, a Matrix. A nossa própria realidade é ilusória. Talvez você deva explorar mais a questão da masssa. Como se forma, quais as mudanças no comportamento das pessoas, de onde vem? Sugiro Debord (A sociedade do espetáculo). Acho que não existe verdade. Mas apenas aproximações e afastamentos dela.

Daniel Silva disse...

Você escreve muito bem. Parabéns

abraço

Jefferson Cristian Machado; disse...

Jamais devemos nos submeter ao submundo inútil formulado pela existência igualmente inútil da massa.

Cristiano Contreiras disse...

parabens pelo contexto e tematica do blog! abs

Arthur PPrado disse...

Gostei. Acho q vc colocou boas questões. Tenho dúvidas: será q é possível, para quem quer q seja, alcançar a "verdade livre dos simbolismos e conceitos tendenciosos"? Ou seja, será q é só "muita sujeira" o que impede o conhecimento verdadeiro (se é q ele existe)? E será q o problema da sociedade é que ela "não utiliza o cérebro", ou será q é a a forma como utiliza? E que "sociedade" é essa, que nós criticamos com relação de exterioridade, como se não fizéssemos parte dela?
Assim como o Carlos, tbm sugiro Debord.

LISTENING MUSIKS disse...

vc escreve muito bem.. parabéns pelo blog ^^
abç

Pobre esponja disse...

A vida é um teatro aonde colocamos diversas máscaras. Tenho um anti-talento, uma certa desabilidade para isso, o que muito me alegra. Mas tem hora que gostaria de saber, as máscara, colocá-las, mas definitivamente sou original.

boas idéias, parabéns
abç
Pobre Esponja

Ique disse...

só acho uma pena que as verdades universais estão no meio dessa merda toda, e todos estão cheirando esta merda, enquanto a verdade está a seu lado.